Retratos do Patrimônio Arquitetônico Neoclássico Brasileiro: a Casa de Frontaria Azulejada de Santos e Proximidades Visuais

Autores

Palavras-chave:

Patrimônio; Neoclássico; Santos.

Resumo

O cenário arquitetônico neoclássico brasileiro ordena como símbolo icônico significativo a Casa de Frontaria Azulejada, situada no contexto urbano da cidade de Santos (Estado de São Paulo). Entende-se neste artigo a análise da fachada deste edifício datado de 1865, como um estudo de caso tributário das antigas paisagens e marcas do urbanismo. Uma linguagem comparativa de sua identidade com edifícios de Santos (Antiga Alfândega de Santos), Rio de Janeiro (Academia Imperial de Belas Artes), de Recife (Academia Pernambucana de Letras) e de Gerasa (Arco de Adriano). Revela correspondências de conteúdos que traduzem o objetivo do artigo na definição neoclássica dos movimentos arquitetônicos brasileiros.

Biografia do Autor

Professor Doutor Claudio Walter Gomez Duarte, Universidade Metropolitana de Santos - UNIMES

Doutor e Mestre em Arqueologia pelo Museu de Arqueologia e Etnologia da Universidade de São Paulo, MAE/USP. Professor do Programa de Graduação em Arqueologia da Universidade Metropolitana de Santos UNIMES.

Professora Doutora Juliana Figueira da Hora, Universidade de Santo Amaro - UNISA

Doutora em Arqueologia Clássica pelo Museu de Arqueologia e Etnologia (MAE). Professora do Mestrado em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA).

Professora Doutora Marília Gomes Ghizzi Godoy, Universidade de Santo Amaro - UNISA

Doutora em Psicologia Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP). Professora do Programa de Mestrado em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA).

Referências

CHING, Francis D. K.; JARZOMBEK, Mark; PRAKASH, Vikramaditya. História global da arquitetura. São Paulo: WMF Martins Fontes/Senac, 2016.

CASA DE FRONTARIA AZULEJADA. Disponível em: <http://www.fundasantos.org.br/page.php?78>. Acesso em: 03 fev. 2020.

CONDEPASA. Relação de imóveis tombados. (s/d)

CZAJKOWSKI, Jorge (Org.). Guia da arquitetura colonial, neoclássica e romântica no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000a.

CZAJKOWSKI, Jorge (Org.). Guia da arquitetura eclética no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000b.

DUARTE, Claudio Walter Gomez. Geometria e aritmética na concepção dos templos dóricos gregos. Dissertação (Mestrado em Arqueologia) - Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010.

FRANCISCO, Gilberto da Silva. Ecletismo Paulista. Breve introdução à arquitetura clássica em São Paulo. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2015.

KOCH, Wilfried. Dicionário de estilos arquitetônicos. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

LAUGIER, Marc-Antoine. Essai sur l’architecture. Paris (França): Duchesne, 1753.

LE ROY, Julien David. Les ruines des plus beaux monuments de la Grèce. Paris (França): Guerin & Delatour, 1758.

MARQUES JÚNIOR, Armando Ferreira; DE CARVALHO, Anna Cristina Rodopiano. Inventário de estilos arquitetônicos da cidade de Santos. Santos: E&M Ensino e Memória Produções Editoriais, 2011.

ROTH, Leland M. Entender a arquitetura. Seus elementos, história e significado. São Paulo: G. Gili Ltda., 2017.

ROZESTRATEN, Artur Simões. Um demônio alado e o arquiteto: aspectos do entendimento da concepção da arquitetura no início do século 19. Pós, v. 18, n. 30, p. 70-86, 2011.

SOUSA, Alberto. Arquitetura neoclássica brasileira: um reexame. São Paulo: PINI, 1994.

STUART, James; REVETT, Nicholas. The antiquities of Athens. London (Inglaterra): John Haberkorn, 1762.

SUMMERSON, John. A linguagem clássica da arquitetura. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009.

VITRÚVIO. Tratado de arquitetura. Trad. M. Justino Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

WINCKELMANN, Johann Joachim. Reflections on the imitation of Greek Works of art in painting and sculpture. London (Inglaterra): A. Miller & T. Cadell, 1767.

Downloads

Publicado

2022-06-24