Capacitação Para a Compreensão do Transtorno do Espectro Autista: Público Alvo e Seus Interesses

Autores

  • Rosangela Pereira Faculdade São Sebastião
  • Lucelmo Lacerda Faculdade São Sebastião - FASS
  • Eliane Alcântara Teixeira Faculdade São Sebastião - FASS

Resumo

Resumo: O Transtorno do Espectro Autista é uma condição altamente incapacitante e traz um imenso desafio a todos os espaços que devem se pautar por práticas inclusivas. Um dos fatores para o enfrentamento deste desafio é a formação para a compreensão do fenômeno. Definimos como objeto as relações de gênero, interesse, idade, origem e incentivos para a participação em um curso de formação em Introdução ao Autismo, ofertado na cidade de São Sebastião-SP. O problema pesquisado é: “Quem é o contingente participante de cursos de formação sobre autismo e por que motivações?”. Utilizamos uma metodologia quantitativa com questionário aplicado a trezentos e nove participantes. Concluiu-se que há uma deficiência nos currículos universitários e das redes de ensino nestas formações.

Biografia do Autor

Lucelmo Lacerda, Faculdade São Sebastião - FASS

Mestre em História, Doutor em Educação pela PUC-SP, especializado em Educação Especial e Políticas de Inclusão e Pós-Doutorando em Educação Especial pela UFSCar

Eliane Alcântara Teixeira, Faculdade São Sebastião - FASS

Licenciada em Pedagogia, Licenciada e Bacharel em Letras. Fez o Mestrado e o Doutoramento em Literatura Portuguesa (1999 e 2005) na Universidade de São Paulo

Referências

APPLE, Michael W. Trabalho docente e textos: economia política das relações

de classe e de gênero em Educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.

BRASIL. Anais da I. Decreto nº 3.956, de 8 de outubro 2001. Convenção Interamericana para a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Contra as Pessoas Portadoras de Deficiência. Disponível em: http://portal. mec. gov. br/seesp/arquivos/pdf/guatemala. pdf. http://goo.gl/dRaQUu. Acesso em: 20 jan. 2018.

BRASIL. C. D. Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York, em 30 de março de 2007. Diário Oficial da União, 2009.

BRASIL. CNE, CEB. Resolução Nº 4 de 2 de outubro de 2009. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/dmdocuments/rceb004_09.pdf. Acesso em: 20 jan. 2018.

BRASIL. CNE, CES. Resolução nº 1, de 08 de junho de 2007. Estabelece normas para o funcionamento de cursos de pós-graduação lato sensu, em nível de especialização. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=8825-rces001-07-pdf&category_slug=setembro-2011-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 20 jan. 2018.

BRASIL. MEC. Nota técnica nº 24, de 21 de março de 2013. Orientação aos Sistemas de Ensino para a implementação da Lei nº 12.764/2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=13287-nt24-sistem-lei12764-2012&Itemid=30192. Acesso em: 20 jan. 2018.

BRASIL. Decreto Federal nº 8.368/2014, de 02 de dezembro de 2014. Regulamenta a Lei nº 12.764, de 27 de dezembro de 2012, que institui a Política Nacional de Proteção dos Direitos da Pessoa com Transtorno do Espectro Autista. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/decreto/d8368.htm. Acesso em: 09 fev. 2018.

BRASIL. Lei nº. 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário OfIcial da União, Brasília, 26 jun. 2014 – Edição Extra. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm>. Acesso em: 09 fev. 2018.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA. Sobre princípios, políticas e práticas na área das necessidades educativas especiais. Brasília, DF: MEC, 1994.

DEIMLING, N. N. M. A Educação Especial nos cursos de Pedagogia: considerações sobre a formação de professores para a inclusão escolar. Revista Educação Unisinos, v. 17, n. 3, set-dez. 2013. Disponível em: http://www.revistas.unisinos.br/index.php/educacao/article/view/edu.2013.173.08/3815. Acesso em: 09 fev. 2018.

DENARI, F. Um (novo) olhar sobre a formação do professor de educação especial: da segregação à inclusão. Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

FERREIRA, W. B. Inclusão x exclusão no Brasil: reflexões sobre a formação docente dez anos após Salamanca. Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006.

FIORINI, Maria Luiza Salzani; MANZINI, Eduardo José. Inclusão de alunos com deficiência na aula de educação física: identificando dificuldades, ações e conteúdos para prover a formação do professor. Revista Brasileira de Educação Especial, p. 387-404, 2014.

KHOURY, L.P. et al. Manejo comportamental de crianças com Transtornos do Espectro do Autismo em condição de inclusão escolar: guia de orientação a

professores [livro eletrônico]. São Paulo: Memnon, 2014.

MENDES, Enicéia Gonçalves. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. Revista Brasileira de Educação, v. 11, n. 33, p. 387-405, 2006.

MENDES, Enicéia Gonçalves. Breve histórico da educação especial

no Brasil. Revista Educación y pedagogia, v. 22, n. 57, p. 93-109, 2011.

MOES, Douglas et al. Stress profiles for mothers and fathers of children with autism. Psychological Reports, v. 71, n. 3_suppl, p. 1272-1274, 1992.

SÃO SEBASTIÃO. Estatuto dos Servidores Municipais. Lei Complementar 76/2006.

SHARPLEY, Christopher F.; BITSIKA, Vicki; EFREMIDIS, Bill. Influence of gender, parental health, and perceived expertise of assistance upon stress, anxiety, and depression among parents of children with autism. Journal of Intellectual and Developmental Disability, v. 22, n. 1, p. 19-28, 1997.

VEDOVATO, Tatiana Giovanelli; MONTEIRO, Maria Inês. Perfil sociodemográfico e condições de saúde e trabalho dos professores de nove escolas estaduais paulistas. Revista da Escola de Enfermagem da USP, v. 42, n. 2, p. 291-297, 2008.

VIANNA, Claudia Pereira. A feminização do magistério na educação básica e os desafios para a prática e a identidade coletiva docente. In: YANNOULAS, Silvia Cristina (Org.). Trabalhadoras: análise da feminização das profissões e ocupações. Brasília, DF: Abaré, 2013. p. 159-180.

Downloads

Publicado

2022-06-24