Conhecimentos Prévios Sobre a Ética nas Pesquisas Com Seres Humanos

Autores

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar conhecimentos prévios de alunos sobre princípios éticos para pesquisas com seres humanos em Ensino de Ciências e Saúde. A metodologia foi a quali-quantitativa, com coleta por questionário aberto. O método de análise de conteúdo automatizada identificou cinco classes de conhecimentos prévios, subdivididos nos subcorpus: “Ética e Princípios” e “Riscos e benefícios”, apontando a existência de conhecimentos prévios sobre o conceito de Ética na pesquisa, entretanto, quanto aos princípios éticos básicos, se constata que foram citados a beneficência, a não maleficência e a autonomia, não tendo qualquer menção ao princípio da justiça. Esta pesquisa reforça a necessidade de discussão sobre Ética na Pesquisa, especialmente com pesquisadores iniciantes na área de Ensino.

Referências

ARAÚJO, L. Z. S. de. Breve história da bioética: da ética em pesquisa à bioética. In: REGO, S.; PALACIOS, M. (Orgs.). Comitês de ética em pesquisa: teoria e prática. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2012. p. 71-84.

BEAUCHAMP, T.L.; CHILDRESS, J. F. Principles of biomedical ethics. New York: Oxford University Press, 1979.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 466, de 12 de dezembro de 2012. Diário Oficial República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 12 dez. 2012. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12_12_2012.html Acesso em: 26 ago. 2020.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº 510, de 7 de abril de 2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 24 maio 2016. Seção 1. p. 44-46. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2016/Reso510.pdf. Acesso em: 26 ago. 2020.

COSTA, H. R. L. A dignidade humana: teorias da prevenção geral positiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2008.

CRESWELL, J. W. Projeto de Pesquisa: métodos qualitativos, quantitativos e mistos. Porto Alegre: Artmed, 2007.

DINIZ, S. N.; MARQUEZ, A. S.; LOBO DA COSTA, N. M.; OKUYAMA, C. E. Perspectivas de Abordagem da Bioética na Educação Básica. Revista de Ensino, Educação e Ciências Humanas, v. 19, p .227-232, 2018.Disponível em: http://www.dst.uff.br/revista17-3-2005/experiencia-do-primeiro.pdf. Acesso em: 11 jul. 2020.

GRIMMER, J.; STEWART, B. M. Text as data: the promise and pitfalls of automatic content analysis methods for political texts. Political Analysis, 2013.

KIPPER, D.; OLIVEIRA, M. S. Experiência do primeiro comitê de ética no Brasil. DST–Jornal Brasileiro de Doenças Sexualmente Transmissíveis, v. 17, n. 3, p. 207-210, 2005.

LÉVY, P. Que é o Virtual? O. Editora 34, 2011.

MOURA, S. R. B., JUNIOR, M. A. S. S. M., ROCHA, A. K. L., DO NASCIMENTO VIEIRA, J. P. P., MESQUITA, G. V., DE OLIVEIRA BRITO, J. N. P. Análise de similitude dos fatores associados à queda de idosos. Revista Interdisciplinar, v. 8, n. 1, p. 167-173, 2015.

RATINAUD, P. IRAMUTEQ: Interface de R pour les Analyses Multidimensionnelles de Textes et de Questionnaires [Computer software].2009. Disponível em: <http://www.iramuteq.org>. Aceso em: 26 mar. 2016. Issn 2178-079x

SAVATER, F. Ética para meu filho. Trad. Monica Stahel. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2017.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. Rio de Janeiro: Artmed Editora, 2009.

Downloads

Publicado

2021-11-26